O povoado não é muito antigo. Na opinião de alguns autores, a sua formação data do início do século XIX; outros recuam um pouco mais. Teriam sido pescadores vindos do norte (Ovar, Ílhavo e Murtosa), na procura de novos centros pesqueiros, os colonizadores de entrada e, posteriormente, os gandareses juntaram-se-lhes, acabando por se apropriarem das "artes". Essa "aldeia" piscatória e o que resta da sua memória, deve-se sobretudo a estes homens que se tornaram "anfíbios" ou que trocaram os carros de bois pelas xávegas.

Não podemos, no entanto, subestimar o contributo dos pastores de vacas e ovelhas na formação deste lugar. Segundo os mais velhos, foram eles que traçaram os primeiros caminhos, estabelecendo a ligação do mar com o interior.

Os palheiros foram-se erguendo, posicionando-se estrategicamente em função da vida da pesca uns no areal, outros nas zonas mais elevadas da duna, bem sobranceiros ao mar, como que a espiar os seus movimentos. Bastante rudimentares, os primeiros palheiros cumpriam no entanto a sua função: serviam de arrumos dos apetrechos da pesca ou de armazéns de salga, embora de reduzida expressão, e de habitação temporária dos pescadores que residiam neste povoado durante o período da safra (Abril a Outubro).

 

Estas construções tradicionais são bem elucidativas da humanização da paisagem, como podemos ver nas soluções peculiares que o homem encontrou, adaptando-as perfeitamente ao meio natural, agreste e isolado das terras do interior (altura em que não havia estrada e as dunas eram um obstáculo difícil de transpor). Nesse sentido, foram utilizados materiais locais: - O estorno na cobertura (substituído posteriormente pela telha caleira), e a madeira o material preferencialmente utilizado na sua construção. Assentes em estacaria, para que as areias tocadas pelos ventos fortes, passassem por baixo delas sem as soterrar. Ao contrário de outras praias do litoral central, os Palheiros da Tocha conseguiram manter até mais tarde parte das suas características primitivas, conservando o seu aspecto palafítico, isto é, estacas à vista, inclinadas para o exterior, dando maior base de sustentação ao palheiro. Fernando Galhano e Ernesto Veiga de Oliveira referiam em 1964, a esse propósito, que era «o carácter palafítico na sua pureza integral que conferia a este aglomerado o aspecto original.» (Palheiros do Litoral Central Português).